Configurações do Hyper-V 2016

Olá pessoal tudo bem?

Hoje vou explicar tudo sobre a opção Configurações do Hyper-V, temos algumas abas básicas e outras mais complexas, então vamos começar pelas mais simples.

Abrindo as configurações temos a primeira aba onde são opções para o Servidor, e a primeira delas permite escolher a pasta padrão onde os discos de suas VMs serão armazenadas, como padrão em meus testes, deixo todas numa pasta chamada VM na raíz do C:.

config-hyper-v-1

Caso você tenha um cluster em storage específico já pode deixar definido o local.

Na segunda aba podemos especificar onde irão ser salvas as configurações dessas VMs. Mantenho o mesmo local.

config-hyper-v-2

Aqui em GPUs físicas é possível usar a placa de vídeo para aumentar o desempenho das VMs, normalmente dizemos que se utiliza para software como Autocad, mas agora até o Server 2016 está com interface gráfica igual do Windows 10, então ter placa de vídeo em servidores será normal.

config-hyper-v-3

Essa função no Windows 10 já vem habilitada como podem ver na imagem da direita, já no Server 2016 precisa instalar o serviço RemoteFX.

Pulando agora pra configurações de Usuário temos a parte do Teclado onde você pode escolher qual vai ser o comportamento quando estiver conectado nas VMs. Como exemplo o Alt+Tab, onde você altera entre janelas. Eu utilizo alt+tab o tempo todo, então seja no Server 2016 ou na VM, eu gosto de utilizar o Alt+tab em ambos, e deixo selecionado o padrão que é usar na máquina virtual.

config-hyper-v-4

A combinação de teclas funciona pra liberar o mouse que fica travado dentro da VM quando você clica em conectar, e ao tentar sair com o mouse para mexer no seu Host ele não libera, fica preso, necessitando utilizar uma tecla de atalho como o Control+Alt+Seta para esquerda, pois quando uma VM não tem o integration Components (IC), que são os drivers que permitem a Máquina virtual conversar com o Host de forma mais integrada, ao clicar para “entrar” e mexer na VM ocorre esse problema do mouse ficar preso. Normalmente isso pode ocorrer com Windows XP e Windows Vista que não vem com o IC instalado.

config-hyper-v-5

Passando para a última opção, temos o Redefinir, que volta todas as configurações alteradas para o padrão quando instalado.

config-hyper-v-6

Em Política do Modo de sessão Avançado é o seguinte, quando conectamos via RDP seja no servidor ou em Windows Client, temos a opção de “levar” os recursos do PC local para o remoto, como o som, unidades, pendrive, impressora e etc.

config-hyper-v-7

config-hyper-v-8

E é exatamente isso que essa sessão permite fazer, habilitando essa opção você consegue levar um pendrive, impressora, unidade de rede, etc para a VM. Só cuidado não confundir essa opção que é via RDP, com acessar o USB diretamente pela VM no servidor físico.

Lembrando que precisa marcar as duas opções, tanto na parte de servidores quanto de usuários, também só funciona em Windows com suporte a essa função, sendo eles Windows 8 e 2012 até os mais atuais, e como diz em algumas mensagens, ao alterar alguma opção, você precisa fechar a conexão com a VM e abrir novamente pra poder funcionar.

Uma das funções mais interessantes do Hyper-V e dos cenários de alta disponibilidade é a migração ao vivo ou Live Migration. Ela serve pra migrar todo processamento das máquinas virtuais de um servidor para outro sem parada, sem interrupção.

config-hyper-v-9

Nessa aba primeiro precisamos selecionar a opção Habilitar migrações ao vivo de entrada e saída. Podemos selecionar quantas migrações podem ocorrer ao mesmo tempo, essa configuração dependerá dos recursos de hardware do seu ambiente.

Em ENTRADAS de migrações ao vivo você irá escolher se quer usar qualquer rede disponível ou alguma placa de rede específica. Lembrando que quem decidirá por qual placa a Migração vai acontecer é o Hyper-V que for Receber a VM. Então se você migrar do Host A para o B, a opção marcada nesse host é que vai prevalecer. Ou seja o Host B que decide qual placa receberá a migração.

Em AdvancedFeatures na primeira opção Credential Security Support Provider (CredSSP) significa que se você quiser fazer uma Live Migration você tem que logar no servidor que está a VM e clicar nela e fazer a migração.

config-hyper-v-10

Já no segundo caso usando Kerberos é uma forma mais segura, pois você pode fazer a migração remotamente de qualquer máquina, seja por powershell ou gerenciador do hyper-V. Antes no Windows 7 era necessário instalar a ferramenta de gerenciamento do hyper-v.

Já em Opções de desempenho, podemos escolher por TCP/IP onde os dados são copiados e migrados através da rede. No segundo caso antes de enviar os dados pela rede, há uma compressão dos dados. E no terceiro caso, se você tem placas de redes com função RDMA em ambos servidores, significa que os dados são copiados sem compressão direto da memória, não “envolvendo” o sistema operacional, no qual usa menos CPU, enviando os dados via SMB para o outro host mais rapidamente.

Em Storage Migrations você pode também definir quantas migrações simultâneos podem ser feitos.

config-hyper-v-11

Para deixar o Hyper-V como Servidor de replicação basta ir em configurações de Replicação e clicar em habilitar. Pode-se usar Kerberos por HTTP, onde os dados não serão encriptados, ou seja, menos seguro, ou também por HTTPS criando um certificado.

Em autorização e armazenamento podemos simplesmente habilitar replicação de qualquer servidor ou especificar os servidores que podem replicar para este servidor.

config-hyper-v-12

Numa Spanning é uma parte mais complexa em questão de arquitetura, que envolve acesso a memória e multiprocessadores. Por isso deixei para o final.

config-hyper-v-13

NUMA é acesso a memória não uniforme, isso significa que processador e memória são divididos em vários grupos. Sendo assim num servidor com 2 processadores há vários Numa nodes. No caso de uma máquina virtual, suponha que o CPU 1 e memória esteja sendo usado por essa VM, só que esse numa Node é pequeno para a carga de trabalho necessária, então o NUMA Spanning vai buscar mais dessa memória em outro nó, por exemplo na CPU e memória 2.

Resumindo significa que ao habilitar essa função, você permite que uma máquina virtual busque recursos adicionais em outros núcleos. Clique nesse link para ver mais explicações sobre o NUMA.

Bom, concluímos aqui a explicação sobre as configurações do Hyper-V. Comenta aqui embaixo se tiver alguma dúvida, se inscreve no blog e no Youtube.

 

Anúncios

2 comentários sobre “Configurações do Hyper-V 2016

Obrigado por comentar

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s